top of page

"Chorinho" de Fauzi Arap:a poesia da solidão urbana


"Chorinho" de Fauzi Arap: a poesia da solidão urbana
Foto: Fabiano Lessa

"Chorinho" retorna aos palcos, proporcionando uma celebração à dramaturgia brasileira e ao ilustre autor Fauzi Arap. Reconhecido como um dos grandes nomes do teatro e da cultura brasileira, Fauzi Arap compartilhou sua genialidade ao lado de figuras icônicas como José Celso Martinez Correa, Antônio Abujamra, Clarice Lispector e Maria Bethânia, estabelecendo conexões profundas de amizade ao longo de sua carreira. Ao trazer Fauzi Arap de volta ao centro do palco, esta montagem não apenas honra sua memória, mas também preserva e reafirma a rica história cultural do Brasil.


"Chorinho" teve suas primeiras duas montagens sob a direção do próprio Fauzi Arap. Nesta terceira encenação, a Cia Fuxico tem a direção de Marcos Loureiro, assistente de Fauzi nas versões anteriores. A simplicidade permeia o cenário, composto por uma rotunda ao fundo, um banco de praça, adereços e os atores. A iluminação segue a mesma simplicidade, priorizando os estados internos das personagens, suas expressões verbais e a passagem do tempo. A atmosfera poética permite que a história se desenrole por meio do encontro de dois personagens urbanos que compartilham suas histórias, medos e frustrações. A encenação se concentra na relação entre os atores e na interpretação fiel das palavras de Fauzi Arap, mantendo a integridade de suas visões anteriores.


A dinâmica ágil da ação dramática se divide em sete movimentos que equilibram habilmente humor e drama. Fauzi, em resposta a críticas sobre o minimalismo do cenário, afirmou que "o texto fala por si, ele é mais importante do que qualquer outra coisa que venho a colocar".


"Chorinho" explora a vida urbana por meio de duas personagens aparentemente opostas: a tia (Cida Lima) e o "morador da praça" (Ronaldo Barbosa). Apesar de suas diferenças, as figuras se abrem para o diálogo, uma disputa silenciosa e invisível que alimenta a peça de forma contínua. Segundo Fauzi, a praça é quase um personagem, e o título da peça reflete a cadência sonora do chorinho, além de traduzir a relação entre as personagens. O termo também remete aos pequenos lamentos cotidianos, às queixas diárias, aos choros singelos que permeiam a existência.


"Chorinho" é mais do que um espetáculo teatral; é uma experiência sensorial que explora a complexidade das relações humanas na vida urbana, iluminando os pequenos lamentos que unem a todos nós.


FICHA TÉCNICA

Espetáculo – Chorinho

Texto- Fauzi Arap

Direção- Marcos Loureiro

Elenco- Cida Lima e Ronaldo Barbosa

Desenho de luz- Marcos Loureiro

Operação de luz e som – Cleber Dnuncio

Orientação da dramaturgia- Régis Trovão

Figurino e cenário- Cia Fuxico de Teatro

Fotos- Fabiano Lessa

Trilha – Cia Fuxico de Teatro

Produção- Cia Fuxico de Teatro


Agenda:

DIA 05/10 ÀS 19 HS CENTRO DE CULTURAS NEGRAS

R: Arsênio Tavolieri 45 S.P


DIA 18/10 ÀS 21 HS- TEATRO ALFREDO MESQUITA

Av: Santos Dumont 1770


DIA 28/10 ÀS 13 HS CASA DE CULTURA BUTANTÃ

R : Junta Mizumoto 13

Comments


bottom of page